Construtora que lotou trabalhadores com deficiência longe dos canteiros é absolvida de dano moral coletivo

Construtora que lotou trabalhadores com deficiência longe dos canteiros é absolvida de dano moral coletivo

A Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho entendeu que a Contern Construções e Comércio Ltda. não cometeu nenhum ato discriminatório ao alocar empregados com deficiência em oficinas protegidas e em entidades beneficentes, e não no canteiro de obras. Por unanimidade, a Turma proveu recurso da empresa para afastar a condenação por danos morais coletivos imposta em ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).
Segundo o MPT, além da imposição de contratação de pessoas com deficiência a fim do cumprimento do percentual previsto em lei, a empresa deveria ser condenada à reparação de danos morais coletivos em virtude da alocação dos empregados com deficiência em espaço isolado dos demais trabalhadores. O valor proposto para a indenização foi de R$ 3 milhões.

Risco 4

A empresa justificou a medida sustentando que o trabalho no setor de construção civil pesada é potencialmente perigoso, classificado como risco 4. As obras eram distantes das cidades próximas, com riscos e a dificuldade de deslocamento dentro do canteiro. Segundo a Contern, houve muita dificuldade em encontrar candidatos para cumprir as exigências.
O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região manteve a sentença que entendeu que o procedimento foi um artifício utilizado para o preenchimento formal da cota, discriminando os empregados com deficiência. Ainda de acordo com a sentença, o dano é decorrente da conduta da empresa, que criou mecanismo discriminatório. “Ao invés de incluir o portador de deficiência na sociedade, promove sua exclusão”, afirmou o juízo. No entanto, o valor foi fixado em R$ 1 milhão.

TST

Para a relatora do recurso da construtora ao TST, ministra Maria Cristina Peduzzi, a empresa buscou contratar pessoas com deficiência e alocá-las em funções para as quais seriam adaptadas, evidenciando-se a intenção de satisfazer a finalidade do artigo 93 da Lei 8.213/91. Ela afastou a conclusão quanto à inexistência de dano moral coletivo levando em conta das peculiaridades do setor de construção civil, que concentra atividades usualmente perigosas para os empregados com deficiência.
Como o pedido de reparação estava fundamentado exclusivamente na prática de ato discriminatório, a Turma concluiu pela exclusão da condenação a reparação por danos morais coletivos.
(Ricardo Reis/CF)
Processo: RR-576-31.2014.5.02.0063

Fonte: SIte do Tribunal Superior do Trabalho 

Comentários:

A decisão da relatora da 8ª turma do Superior Tribunal do Trabalho que reformou as decisões de primeira e segunda instância, excluindo da condenação a indenização por danos morais coletivos proposta pelo Ministério Público do Trabalho, foi prudente e totalmente razoável. Isso porque o fato da empresa alocar os funcionários com deficiência em local diverso dos demais trabalhadores, por questão de segurança e adaptação não configura nenhuma hipótese de discriminação.
O fato da empresa ser uma construtora, exige que os empregadores tomem precauções no intuito de segurança dos trabalhadores.
Sabemos que uma atitude discriminatória passível de reparação é aquela que resulta na destruição ou comprometimento dos direitos fundamentais do ser humano, prejudicando o indivíduo no seu contexto social, cultural, político ou econômico, o que não se verifica no caso em questão.
Portanto, cumpriu a empresa as exigências da contratação de trabalhadores portadores de deficiência prevista no artigo 93 da Lei 8.213/91 sem cometer qualquer ato discriminatório passível de reparação a título de danos morais coletivos, quanto mais no importe absurdo de três milhões de reais.

Equipe Direito Trabalhista

Assine nossa Newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

Você se inscreveu com sucesso!

Share This