A possibilidade de aplicação do Código de Defesa do Consumidor em conflito envolvendo condomínio

A possibilidade de aplicação do Código de Defesa do Consumidor em conflito envolvendo condomínio

Muito se questiona sobre a possibilidade de aplicação do CDC nos conflitos envolvendo condomínio.

Em recente julgamento, o STJ se posicionou a favor da caracterização da relação de consumo em uma disputa entre um condomínio e uma empresa.

No caso, o condomínio de adquirentes de edifício em construção atuava na defesa dos interesses dos seus condôminos frente à construtora/incorporadora.

Em segunda instância, o nobre desembargador relator havia entendido ser inaplicável a relação de consumo, uma vez que o condomínio não poderia ser considerado destinatário final de produto ou serviço, já que cada um dos condôminos é quem detém a propriedade exclusiva de sua unidade e a parte ideal das áreas comuns (TJ/MG, Agravo de Instrumento 0757697-13.2014.8.13.0000, Relator (a): Des. Alexandre Santiago, Órgão Julgador: 11ª Câmara Cível, data do julgamento: 03/12/2014).

Por sua vez, o STJ se posicionou de forma contrária. O ministro relator do caso, Paulo de Tarso Sanseverino, entendeu que se o condomínio detém legitimidade para defender os interesses comuns dos seus condôminos, justamente por ser constituído da comunhão dos seus interesses, não se poderia restringir a tutela legal colocada à sua disposição pelo ordenamento jurídico. Não haveria cabimento em forçar cada um dos integrantes do condomínio a ingressar em juízo isoladamente para obter a tutela do CDC (STJ, REsp nº 1.560.728/MG, Órgão Julgador: Terceira Turma, data do julgamento: 18/10/2016).

Dessa forma, o conceito de consumidor previsto no CDC deveria ser interpretado de forma ampla, em conformidade com o parágrafo único do artigo 2º, em que o consumidor é equiparado à “coletividade de pessoas, ainda que indetermináveis, que haja intervindo nas relações de consumo”.

Em outro caso semelhante, o STJ se posicionou da mesma forma. Tratava-se de ação em que litigavam condomínio e empresa pública prestadora de serviços.

Concluiu-se que o condomínio nada mais era do que o conjunto dos moradores de uma habitação coletiva – proprietários, inquilinos ou outra modalidade de ocupação – como um prédio de apartamentos, cujo destino e orientação era traçada pelos próprios moradores e o condomínio seria o destinatário final do serviço prestado pela empresa pública (STJ, REsp 650.791/RJ, Relator (a): Min. Castro Meira, Órgão Julgador: Segunda Turma, data do julgamento: 06/04/2006).

Com o reconhecimento da relação de consumo, o condomínio consegue atrair para si diversas garantias previstas pelo CDC, entre elas a possibilidade de inversão do ônus da prova.

Como regra geral, em uma eventual lide envolvendo relação de consumo, caberia ao consumidor-autor comprovar os fatos constitutivos do seu direito.

No entanto, como forma de facilitar a defesa do consumidor em juízo, o juiz pode reconhecer a vulnerabilidade do consumidor e inverter o ônus probante.

Kamilla Petrone Pereira

Acessada em:

http://www.migalhas.com.br/dePeso/16,MI252372,41046-A+possibilidade+de+aplicacao+do+CDC+em+conflito+envolvendo+condominio 

Comentários:

Em recente julgado, o STJ se posicionou concordando com a caracterização da relação de consumo em um litígio envolvendo o condomínio e uma empresa.

O entendimento do STJ se baseou em um caso que já em segunda instância, o Desembargador Relator entendeu pela inaplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor, sob a alegação de que o condomínio por si só não é o destinatário final art. (art. 2º da Lei 8.078/90) do produto ou serviço, não podendo ser o Condomínio ser considerado consumidor, mas sim cada um dos condôminos que detém a propriedade da sua unidade e a parte ideal das áreas comuns.

Quando o caso chegou ao Superior Tribunal de Justiça, o ministro Paulo de Tarso Sanseverino entendeu que o condomínio tem sim legitimidade para defender os interesses comuns dos condôminos, não podendo restringir a tutela jurisdicional prevista no CDC.

Desse modo, o STJ ampliou o conceito de consumidor previsto no art. 2º da Lei 8.078/90, entendendo que o condomínio nada mais é do que um conjunto de moradores de uma habitação coletiva, atraindo para si diversos benefícios previstos na Lei 8.078/90, inclusive a inversão do ônus da prova.

Confira outros posts

ICMS COMPÕE BASE DE CÁLCULO DO IRPJ E DO CSLL EM LUCRO PRESUMIDO

CONTRATO DE PARTNERSHIP: O QUE É?

FILHO FORA DO CASAMENTO PODE SER EXCLUÍDO DA HOLDING?

POSSO TRANSFERIR IMÓVEL FINANCIADO PARA A HOLDING?

QUEM PODE SER INVENTARIANTE NA FAMÍLIA?

HOLDING RURAL: QUAIS AS VANTAGENS?

JUSTIÇA NEGA ANULAÇÃO DO PACTO ANTENUPCIAL

PRODUTOR RURAL: CUIDADO COM A SUCESSÃO DOS SEUS IMÓVEIS

A PARTE DOS HERDEIROS (LEGÍTIMA) NO TESTAMENTO

FILHO QUE RECEBEU DOAÇÃO DOS PAIS TEM DIREITO AO RESTANTE DA HERANÇA?

Compartilhe esta publicação!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp