Parcelamento de débitos do Simples em 120 vezes salva as empresas

Parcelamento de débitos do Simples em 120 vezes salva as empresas

22 de dezembro de 2016, 9h00

Por Tulio Zucca e Michelle Rosa

Fonte: http://www.conjur.com.br/2016-dez-22/parcelamento-debitos-simples-120-vezes-salva-empresas

Parcelamento de débitos do Simples em 120 vezes salva as empresasEm outubro de 2016 foi publicada a Lei Complementar 155, que alterou a Lei Complementar 123/2006 — que instituiu regulamenta o Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, amplamente conhecido como Simples Nacional.

Dentre as alterações promovidas pela Lei Complementar 155/2016 está a possibilidade dos contribuintes parcelarem os débitos tributários em atraso no Simples Nacional em até 120 parcelas (observando o valor mínimo de R$300,00 por parcela), ampliando, dessa forma, o número de parcelas permitidos, tendo em vista que anteriormente somente era permitido o parcelamento em até 60 meses.

Nos termos da Lei Complementar 155/2016 poderão ser parcelados os débitos constituídos ou não, com exigibilidade suspensa ou não, parcelados ou não, e inscritos ou não em dívida ativa, mesmo em fase de execução fiscal já ajuizada, bem como poderão ser reparcelados os débitos já parcelados na forma da Lei Complementar 123/2006.

O pedido de parcelamento deverá ser apresentado em até 90 dias contados a partir da regulamentação dessa Lei, podendo o prazo ser prorrogado ou reaberto por igual período pelo Comitê Gestor do Simples Nacional (“CGSN”), e independerá de apresentação de garantia.

Com a publicação da referida Lei Complementar, foi publicada pela Receita Federal do Brasil a Instrução Normativa 1670, de 11 de novembro de 2016,dispondo acerca dos procedimentos preliminares relativos ao novo parcelamento para os contribuintes destinatários de Atos Declaratórios Executivos (“ADE”) emitidos em setembro de 2016.

Portanto, os contribuintes que foram notificados em setembro de 2016 sobre a sua possível exclusão do Simples Nacional, poderão optar previamente ao parcelamento no período de 14 de novembro de 2016 a 11 de dezembro de 2016, por meio do formulário eletrônico “Opção Prévia ao Parcelamento da LC 155/2016”, disponível na página da Secretaria da Receita Federal do Brasil na Internet.

É importante mencionar que essa opção prévia terá como efeito tão somente o atendimento à regularização solicitada nas respectivas notificações, relativamente aos débitos apurados na forma prevista no Simples Nacional até a competência do mês de maio de 2016. Assim, por essa opção ser “prévia”, será necessário que o contribuinte formalize sua opção em caráter definitivo, com a consolidação dos débitos, na forma e momento a serem estabelecidos com a respectiva regulamentação.

Portanto, os contribuintes que ainda não tiverem recebido os Atos Declaratórios Executivos em setembro de 2016 deverão aguardar a regulamentação pelo CGSN para efetivamente aderir ao parcelamento concedido pela Lei Complementar 155/2016.

Comentários:

Várias empresas optantes pelo regime tributário do Simples Nacional serão beneficiadas com a possibilidade mais ampla de parcelamento de débitos tributários implementada pela recente Lei Complementar nº 155/2016, que ainda deverá ser regulamentada pelo Conselho Gestor do Simples Nacional (CGSN)

Com a recente LC 155/2016, possibilitou-se a quantidade máxima de parcelas em 120 parcelas, em que o valor mínimo permitido por parcela é de R$300,00 (trezentos reais).

Importa mencionar que com o pedido de parcelamento pelo contribuinte haverá desistência definitiva de eventual parcelamento anterior.

Também é se evidenciar que consta na LC 155/2016 que “O valor de cada prestação mensal, por ocasião do pagamento, será acrescido e juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia – SELIC para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir do mês subsequente ao da consolidação até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% (um por cento) relativamente ao mês em que o pagamento estiver sendo efetuado. ”

Os contribuintes deverão ficar atentos, para que, desejando, tão logo seja regulamentada a LC 155/2016 possam avaliar as possibilidades e a viabilidade de aderirem ao parcelamento em comento.

 

Confira outros posts

ICMS COMPÕE BASE DE CÁLCULO DO IRPJ E DO CSLL EM LUCRO PRESUMIDO

CONTRATO DE PARTNERSHIP: O QUE É?

FILHO FORA DO CASAMENTO PODE SER EXCLUÍDO DA HOLDING?

POSSO TRANSFERIR IMÓVEL FINANCIADO PARA A HOLDING?

QUEM PODE SER INVENTARIANTE NA FAMÍLIA?

HOLDING RURAL: QUAIS AS VANTAGENS?

JUSTIÇA NEGA ANULAÇÃO DO PACTO ANTENUPCIAL

PRODUTOR RURAL: CUIDADO COM A SUCESSÃO DOS SEUS IMÓVEIS

A PARTE DOS HERDEIROS (LEGÍTIMA) NO TESTAMENTO

FILHO QUE RECEBEU DOAÇÃO DOS PAIS TEM DIREITO AO RESTANTE DA HERANÇA?

Compartilhe esta publicação!

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp